Arquivo mensal: janeiro 2014

Quatro crianças, com menos de quatro anos, são usadas como ‘aviõezinhos’ pelos pais

Uma denúncia anônima entregue ao Ministério Público Municipal de Mata Grande resultou na descoberta de quatro crianças, mantidas em condições sub-humanas, que estariam sendo utilizadas pelos próprios pais como aviõezinhos (atravessadores) de maconha, crack e cocaína.

Após receber a denúncia, o promotor Cláudio Teles acionou o delegado de Polícia Civil da cidade, Rodrigo Cavalcanti, que organizou uma operação de para tentar capturar os acusados.

Chegando à residência, localizada no bairro Mandacaru, os policiais encontraram a residência praticamente fechada e as quatro crianças com fome e sede. Os pais dos meninos, identificados como Lidiane Pereira Alves, 27, e David da Silva Santana, 22, teriam viajado para comprar mais droga, que seria revendida na região.

Na casa, os policiais encontraram, em uma parede falsa um revólver e 500 gramas de maconha. “A situação foi de tristeza quando entramos na casa e encontramos as crianças deitadas no chão. A filha mais velha acabou confessando que a mãe e o pai forçavam colocar a droga dentro da calçinha, tudo para comercializar no centro da cidade”, disse o chefe de operações de Mata Grande, Zé Lobinho.

O Conselho Tutelar foi acionado e transferiu, provisoriamente, a guarda das crianças para os avós, até uma determinação da justiça. A polícia confirmou que realizará buscas semelhantes na cidade. Os pais das crianças passam a ser foragidos da polícia e responderão pela posse ilegal de arma de fogo, tráfico de drogas, abandono e maus-tratos.

 

Anúncios

Homem dá marteladas em namorada e sua filha até a morte por considerar que elas faziam bruxaria contra ele

Assassino foi preso e disse que vítimas faziam vodu, o prejudicando.

Um homem de 44 anos é suspeito de usar um martelo para bater e matar sua namorada e a filha da companheira. Ele acreditava que elas eram “bruxas” e realizavam vodu nele.

Carlos Amarillo foi preso na quarta-feira de manhã depois que a polícia encontrou os corpos da namorada Estrella Castaneda, de 56 anos, e sua filha Lina, de 25 anos, na casa onde moravam em Nova York. Lina tinha uma filha de 7 anos que estava dormindo no momento do ataque.
Amarillo foi acusado de dois assassinatos em primeiro grau e posse ilegal de arma. Os policiais disseram que Amarillo confessou ter matado as duas mulheres por considerar que elas faziam vodu contra ele. Os investigadores encontraram o martelo cheio de sangue usado para bater na cabeça das vítimas.
Homem dá marteladas em namorada e sua filha até a morte por considerar que elas faziam bruxaria contra ele
Um vizinho disse ouvir o som das marteladas, mas não escutou ninguém gritando. Depois de cerca de 15 minutos, apareceu a polícia no local.

Leia mais em: http://www.techmestre.com/homem-da-marteladas-em-namorada-e-sua-filha-ate-a-morte-por-considerar-que-elas-faziam-bruxaria-contra-ele.html#ixzz2rtaUChGN

Mulher é esquartejada após se recusar a fazer sexo com o marido

Do R7

Jovem pode pegar até 30 anos de prisãoRecord Minas

Um jovem de 22 anos foi preso suspeito de esquartejar a mulher em Esmeraldas, na região metropolitana de Belo Horizonte. O crime foi cometido porque a vítima se recusou a fazer sexo com o marido.

Rafael Oliveira Ferreira assassinou a mulher, Kênia de Oliveira, de 32 anos, na frente dos filhos no dia 18 deste mês. Ele foi preso pela Polícia Civil enquanto tentava fugir.

A vítima estava casada com o rapaz havia seis meses. Ela foi mutilada com golpes de facão, tendo a orelha decepada, braços e pernas quebrados, além de sofrer vários cortes profundos no corpo. As agressões ocorreram após Kênia se negar a manter relações sexuais com o marido.

A mulher chegou a ser socorrida e foi encaminhada ao Hospital 25 de Maio, em Esmeraldas, ainda com vida. Porém, diante da gravidade dos ferimentos, foi transferida para o Hospital Regional de Betim, onde acabou falecendo.

Logo após cometer o crime, Ferreira fugiu de Esmeraldas com destino a cidade de São Francisco. No trajeto, o suspeito foi capturado pelos policiais, em cumprimento ao mandado de prisão expedido pela Justiça. Atualmente, o suspeito encontra-se detido no Ceresp (Centro de Remanejamento do Sistema Prisional) Gameleira.

O delegado Flávio Rabello Teymeny, responsável pelo caso, aguarda o laudo de necropsia e alguns detalhes para conclusão do inquérito. O suspeito deverá ser indiciado por homicídio duplamente qualificado, cuja pena é de reclusão de 12 a 30 anos.

Polícia indiana prende homem acusado de estuprar turista iraniana de 4 anos

R7, com AFP

Em 2013, o estupro de uma garota de 5 anos levou milhares de estudantes para as ruas protestar contra os abusos sexuais no paísAP

A polícia indiana informou na terça-feira (28) ter prendido um homem acusado de estuprar uma iraniana de 4 anos, que estava viajando com sua mãe no estado turístico de Goa.

O homem de 32 anos foi preso na segunda, e teria atacado a garota no dia 22 de janeiro, na vila de Arpora, onde ele morava e as iranianas estavam hospedadas, segundo informações do inspetor de polícia Paresh Naik.

A garota contou o incidente à mãe na segunda-feira e, feita a denúncia, a polícia começou as buscas imediatamente e conseguiu prendê-lo, apesar do homem ter tentado fugir.

O histórico de violência sexual da Índia ganhou destaque mundial devido a grandes protestos depois que uma estudante morreu em decorrência de um estupro coletivo, há pouco mais de 1 ano.

A maioria das vítimas são de indianas, mas alguns casos envolvem turistas, como uma holandesa de 51 anos que sofreu um estupro coletivo na capital, Nova Délhi, no início do mês.

Em dezembro, a polícia de Goa prendeu um professora de ioga acusada de estuprar um de seus alunos, um alemão que estava férias no país.

Recentemente, Inglaterra e França revisaram seus conselhos de viagens à Índia para alertar sobre o risco de abusos sexuais.

Mulher que permitia estupro da filha é apresentada pela PC de Uberlândia

Do R7 Triângulo
Foto: TV Paranaíba/Reprodução
Suspeita disse desconhecer os abusos
saiba mais
Foi apresentada pela Polícia Civil (PC) na manhã desta quarta-feira (15) uma mulher de 39 anos suspeita de permitir o estupro da filha de oito anos.

De acordo com a delegada Paula Freitas Mariano, a suspeita, que trabalha com serviços gerais,  foi detida na noite desta terça-feira (14) quando saía do trabalho no Bairro Umuarama.

“O mandado de prisão dela saiu no meio do ano passado, pouco tempo após a denúncia, mas como ela mudou muito de endereço estávamos com dificuldades para encontrá-la”, contou.

Segundo Paula, foram os vizinhos acionaram a polícia ao perceberem que a menina sofria maus tratos e no local a criança confirmou as acusações.

“Eles informaram que a menina, que na época tinha sete anos, era vítima de maus tratos e que deixada trancada em casa, mas, além disso, a criança contou  amigos da mãe a tocavam e beijavam enquanto faziam uso de bebidas alcoólicas”, disse.

Paula contou, também, que a mulher, que tem outros quatro filhos que também não vivem com ela, disse desconhecer os abusos.

“A mãe fala que não viu nada e é espantosa a tamanha frieza dela, tanto que a criança está em um abrigo há um ano e ela nunca foi visitá-la. Além disso, ela  não demonstrou nenhuma preocupação com o fato de estar sendo presa”, comentou.

Ainda segundo a delegada, a suspeita poderá responder por estupro e, se comprovado, por outros crimes.

“Como ela foi omissa ela responde pelo próprio crime, estupro de vulnerável, e se, comprovado, ela também poderá responder por maus tratos e abandono de incapaz”, explicou.

A mulher foi encaminhada para o Presídio Jacy de Assis e a polícia ainda procura pelos homens envolvidos nos abusos.

Na época da denúncia um exame de corpo de delito comprovou que não houve penetração, mas segundo o  Art. 217-A da Lei Ordinária Federal nº 12.015, ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com menor de 14 anos configura estupro e pode resultar em pena de oito a 15 anos.

Mãe força filha a perder virgindade com o padrasto em MG

Um casal, sendo uma mulher de 41 anos e um homem de 32, foram presos suspeitos de abusarem sexualmente de uma menina de 13 anos na zona rural de Monte Alegre de Minas, no Alto Paranaíba. A polícia ficou sabendo do caso na última sexta-feira (24) depois que o irmão da vítima, de 27 anos, contou que, no dia 25 de dezembro, foi até a fazenda onde a menina mora e encontrou fotos dela nua e em poses sensuais no celular do homem, padrasto dela.

Os militares foram até a casa acompanhados do Conselho Tutelar e a o questionar a adolescente ela contou que há dois anos a mãe a obrigou a perder a virgindade com homem, com quem, desde então, mantem relações sexuais frequentes. De acordo com a Polícia Civil (PC), a menina disse, ainda, que por várias vezes mulher presenciou as relações sexuais dela com o padrasto e que o outro irmão, um adolescente de 14, não sabia dos abusos.

No imóvel foram encontrados vários materiais pornográficos e o casal, que confessou os estupros, disse estar arrependido do crime. Eles estão na cadeia pública de Monte Alegre de Minas e, de acordo com a PC, serão transferidos para o presídio de Uberlândia, também na região.

Fonte: R7

Homem se passa por jornalista e alicia meninos em Riachão do Jacuípe

o R7

Acusado nega todas as acusaçõesReprodução/Record Bahia

Um homem foi preso no município de Riachão de Jacuípe, localizado a cerca de 200 km de Salvador, acusado de aliciar meninos. O suspeito se passava por jornalista e atraia as crianças para uma barragem no município ou hotel e recompensava com dinheiro e presentes.

O acusado de prenome Ubirajara nega os crimes. Ele diz que é de Salvador, trabalha com produções de eventos e foi para a cidade por causa de uma festa. O homem afirma que estava no hotel, sozinho, e a mãe de um menino chegou acusando-o.


As crianças confirmaram que estavam tendo relações com o acusado, mas Ubirajara diz que os pais forçaram os meninos a falarem isso para ele ser preso. Outra agravante é que o homem usava crachás falsos, de jornalista. Ele disse que estagiou em uma emissora e quando saiu ficou com o crachá, mas usava outro com o mesmo número de matrícula com o nome de uma empresa distinta.

Segundo a polícia, no celular do acusado tinha fotos de crianças. O homem mais uma vez nega as acusações e diz que o aparelho estava no hotel e um policial foi pegar.

— No meu quarto tinha dinheiro, avisei aqui quando cheguei na delegacia que tinha dinheiro, quando cheguei lá para pegar, com um advogado e um policial civil, minha mochila estava remexida e meu dinheiro R$ 1100 sumiu, só tinha R$ 100 na  minha pochete.

A mãe de uma crianças disse que desconfiou que estava acontecendo algo estranho quando o filho e um amigo começaram a aparecer com dinheiro, lanches e presentes. Outra mãe afirmou que o filho está “assombrado”, com medo e não está dormindo.