Arquivo mensal: junho 2015

Bebê de 10 meses dá entrada em hospital com HPV e polícia investiga

Do G1 PI

Hospital Infantil Lucídio Portela tem gerador com apenas seis meses de uso, mas que não funciona (Foto: Gilcilene Araújo/G1)Hospital Infantil Lucídio Portela (Foto: Gilcilene Araújo/G1)

O Conselho Tutelar de Teresina está acompanhando o caso do uma criança que deu entrada no Hospital Infantil Lucídio Portela com suspeita de ter contraído uma doença sexualmente transmissível (DST) causada pelo Papiloma Vírus Humano (HPV). De acordo com o conselheiro tutelar Djan Moreira, a suspeita é que a bebê de apenas 10 meses tenha sido molestada.

A criança veio da cidade de Canto do Buriti, a 405 km de Teresina, após exames clínicos apontarem que ela poderia ter sido molestada. “Fomos acionados pelo Hospital Infantil, pois os sintomas apresentados, segundo eles, é de quem contraiu um doença sexualmente transmissível, mas que não houve penetração. Supostamente alguém encostou a genitália nas partes intimas do bebê e a contaminou. Ela tinha verrugas e ferimentos nas partes íntimas”, disse.

Segundo o Conselho Tutelar, a criança passou por cirurgia e vai realizar tratamento contra o HPV. A mãe do bebê registrou Boletim de Ocorrência na Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA).

“As investigações do caso ficarão a cargo da delegacia e do conselho tutelar de Canto do Buriti. A mãe disse que não tem conhecimento de quem possa ter cometido esse abuso”, falou Djan Moreira.

O Hospital Infantil Lucídio Portela afirmou que a criança deu entrada com sintomas de uma doença sexualmente transmissível, mas que não poderia dar mais detalhes sobre o caso por se tratar de menor de idade. A bebê já recebeu alta.

O delegado de Canto do Buriti, Paulo Gregório, disse que está aguardando o inquérito ser encaminhado pela DPCA para a cidade. “Assim que o caso chegar às nossas mãos vamos começar as investigações, pois essa mãe saiu daqui e não comunicou nada na delegacia nem ao conselho tutelar, o que achamos bem estranho”, falou o delegado.

Outro casos
O Conselho Tutelar de Teresina informou ainda que o Hospital Infantil Lucídio Portela tem registrado vários casos de crianças vítimas de abuso sexual vindas do interior. Os Conselhos dos municípios onde as vítimas residem são informados, mas segundo Djan Moreira, os casos não têm sido acompanhados.

“A gente faz o registro aqui e passa para as delegacias e aos conselhos dos municípios, mas nessas cidades nada é feito, nenhuma investigação é aberta e os culpados não são punidos. Esperamos que esses fatos sejam analisados e investigados com mais atenção”, alerta Djan Moreira.

Menina de quatro anos morre após rotina de tortura e abuso sexual no RS

Ao investigar a morte de uma menina de quatro anos vítima de maus-tratos, a Polícia Civil de Santana do Livramento (a 489 km de Porto Alegre), na fronteira oeste gaúcha, deparou-se com uma história de crueldade. Vivendo em meio à miséria, dez crianças entre 4 e 10 anos dividiam o teto com dois adultos.

De acordo com depoimento da madrasta à polícia, a menina de quatro anos era molestada pelo pai nas madrugadas e sofria tortura sistemática da madrasta. O caso chocou os moradores da cidade de 83,3 mil habitantes, no extremo oeste do Rio Grande do Sul.

Na manhã dessa quarta-feira (24), paramédicos foram acionados para atender a uma ocorrência no bairro Parque do Sol. A madrasta havia requisitado uma ambulância para socorrer a enteada que estaria “passando mal”. Ao chegarem ao hospital e examinarem o corpo já sem vida da menina, médicos constataram severas lesões, inclusive ferimentos condizentes com abuso sexual.

Polícia Civil e Brigada Militar prenderam em flagrante o homem, de 32 anos, e a mulher, de 31. Em depoimento, a madrasta admitiu torturar a menina e saber dos abusos que o marido – pai da criança – praticava.

“Ela foi omissa, sabia e podia ter impedido o abuso. Durante a madrugada [de quarta-feira], ela desconfiou de que a menina estivesse sendo estuprada. E ficou inerte. Motivo pelo qual ela também responderá por estupro de vulnerável”, explica a delegada da 1ª Delegacia do município, Giovana Ferreira Muller.

Segundo a polícia, marido e mulher serão indiciados por estupro de vulnerável e tortura. Já a madrasta também responderá por homicídio qualificado por motivo fútil. “Os médicos revelaram que a menina morreu por uma forte batida na cabeça. A mulher admitiu que jogou a criança com força contra uma parede”, afirma Giovana.

Rotina de tortura

Para a delegada, está claramente configurado também o crime de tortura. Na certidão de óbito da menina, por exemplo, enterrada na tarde desta quinta (25), está escrito “hematoma subdural, traumatismo crânio encefálico e politraumatismos generalizados”.

“Conforme o depoimento da madrasta, a menina era colocada de castigo diversas vezes.Um desses castigos era ficar ajoelhada no chão, virada para uma parede, durante toda manhã ou toda a tarde. Amenina ficava tão esgotada que na conseguia se levantar depois”, descreve Giovana.

Outros “castigos” empregados pelo pai e madrasta compreendiam surras com vara e até socos,que chegaram a quebrar um dente da criança. “É um crime que choca muito, é uma barbárie, principalmente por se tratar de uma criança vulnerável nas mãos de quem deveria protegê-la”, desabafa a delegada.

Além do casal e da menina, dividiam espaço na casa outras nove crianças, algumas portadoras de necessidades especiais. Os adultos foram presos em flagrante e encaminhados ao Presídio de Santana do Livramento. Já as crianças estão sendo atendidas pelo CT (Conselho Tutelar).

Conforme o Conselho Tutelar, a família era acompanhada, os abusos sexuais não eram conhecidos, e, inclusive, os conselheiros já haviam feito um pedido à Justiça para a transferência de tutela das crianças e ainda está em tramitação.

Mãe é presa suspeita de torturar os três filhos em Oiapoque, no Amapá

Do G1 AP

Mãe foi preso e filhos levados ao Conselho Tutelar, em Oiapoque (Foto: Reprodução/Facebook)Mãe foi presa e filhos levados ao Conselho Tutelar, em Oiapoque (Foto: Reprodução/Facebook)

A Polícia Civil do Amapá prendeu na quinta-feira (25) uma mulher de 31 anos suspeita de torturar os três filhos em Oiapoque, a 590 quilômetros de Macapá. Segundo a polícia, são três crianças, com idades de 2, 6 e 7 anos. O delegado Charles Corrêa, responsável pela prisão, publicou as informações e fotos dos menores e da mulher na sua página no Facebook.

De acordo com o delegado, as crianças apresentam marcas de violência pelo corpo. A de 2 anos, segundo Corrêa, tem queimaduras de segundo e terceiro graus que teriam sido provocadas por leite quente, o que “resultou na tortura com vara de cipó na filha de 7 anos”. A de 6 anos está com escoriações e hematomas antigos e recentes, mesmos indícios encontrados na filha mais velho, de 7 anos.

As imagens publicadas pelo delegado no Facebook mostram as marcas de violência nas crianças. É possível observar hematomas nos braços, peitos e costas dos menores. Em uma das fotografias, aparecem as queimaduras na criança mais nova. O caso causou indignação entre internautas.

A polícia informou que as crianças foram levadas para o Conselho Tutelar de Oiapoque. Foi instaurada uma investigação contra a mulher pelo crime de tortura. Ela teria outras passagens pela delegacia por suspeita de crimes semelhantes.

“Infelizmente, carecemos de mecanismos para a internação compulsória destes dependentes químicos e crianças acabam sofrendo as consequências”, comentou o delegado Charles Correa, de Oiapoque.

Criança mais nova tinha queimaduras pelo corpo, em Oiapoque (Foto: Reprodução/Facebook)Criança mais nova tem queimaduras pelo corpo, em Oiapoque (Foto: Reprodução/Facebook)

‘Foram quatro vezes’, diz delegado sobre avô suspeito de abusar do neto

Do G1 AP

Avô suspeito de abusar do neto de 6 anos foi preso em Oiapoque, no AP (Foto: Divulgação/Polícia Civil)Avô suspeito de abusar do neto de 6 anos foi preso em Oiapoque, no AP (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Um homem de 50 anos foi preso nesta quinta-feira (25) suspeito de abusar sexualmente do próprio neto, um menino de 6 anos, na casa onde moram na cidade de Oiapoque, distante 590 quilômetros de Macapá. A Polícia Civil informou que os atos libidinosos teriam acontecido por quatro vezes, de acordo com depoimento da própria criança. A prisão foi decretada pela Justiça após os laudos atestarem os abusos, sendo o último deles ocorrido em 23 de junho, disse a polícia.

O delegado da Oiapoque Charles Corrêa informou que embora não tenha confessado o estupro, os depoimentos do homem apontam para a culpa. De acordo com o delegado, o abuso acontecia quando o avô tocava as partes íntimas do neto e em seguida tocava nas dele. O suspeito está detido na delegacia de Oiapoque.

“A mãe pedia para o filho ficar na casa com o avô enquanto ela trabalhava. Nessa última vez [dia 23 de junho] estavam o avô, a avó, um tio e a criança. Nesse momento, a avó saiu para o quintal para capinar. Em seguida, saiu o tio e ele aproveitou esse momento para praticar o ato libidinoso”, detalhou Corrêa, informando que o suspeito será indiciado por estupro de vulnerável.

O crime prevê pena de 8 a 15 anos de prisão. A Polícia Civil acrescentou que o suspeito já foi preso no estado do Pará por homicídio que teria cometido há pelo menos 20 anos.

Criança de quatro anos morre no RS após ser violentada pelo pai, diz BM

Do G1 RS

Criança de quatro anos morre em Santana do Livramento após ser violentada pelo pai (Foto: Reprodução/RBS TV)Crime ocorreu na casa da família no bairro Parque do Sol (Foto: Reprodução/RBS TV)

Um crime bárbaro chocou os moradores de Santana do Livramento, na Fronteira Oeste do Rio Grande do Sul, nesta quarta-feira (24). Uma menina de quatro anos morreu após ser violentada pelo próprio pai. O homem e a madrasta da criança foram presos em flagrante.

O crime teria ocorrido pela manhã na casa onde a família mora no bairro Parque do Sol. A menina foi levada por ambulância do Samu até a Santa Casa, onde já chegou sem vida. Os médicos constataram que a criança apresentava sinais de violência física e sexual e acionaram a polícia.

A mulher foi presa em casa durante a tarde, enquanto o homem foi encontrado no trabalho, em uma lenharia próxima do local onde mora. A polícia diz que a madrasta da menina teria espancado a criança e tentado acobertar o estupro praticado pelo companheiro. Foi ela quem chamou a ambulância, sob alegação de que a menina estava passando mal.

Os dois foram presos em flagrante e levados para prestar depoimento na Delegacia de Pronto Atendimento (DPPA) antes de serem encaminhados ao Presídio de Santana do Livramento. A identidade dos dois não foi divulgada pela polícia. Junto com o casal moravam mais cinco crianças, que foram encaminhadas para o Conselho Tutelar.

Homem é condenado a 9 anos de prisão depois de matar bebê de sua namorada

O mecânico Michael Pearce, de 33 anos, foi condenado à prisão na Corte de Newport Crown, pelo homicídio culposo de Alfie Sullock, bebê de sua ex-namorada, depois de um julgamento de duas semanas.

Depois de apenas 95 minutos a sós com o bebê Alfie em sua casa, em Nelson, Caerphilly, em agosto passado, a criança sofreu lesões cerebrais fatais.

O julgamento ouviu também que foi a primeira vez que Michael e Aflie tinham sido deixados a sós. A criança morreu após sofrer lesão na cabeça e no abdômen. Michael foi condenado por homicídio culposo.

Durante o julgamento, o advogado do réu havia questionado se a mãe do bebê não podia ter acidentalmente machucado o filho e se os hematomas de Alfie não tinham sido causados por médicos tentando reanimá-la.

Homem é condenado a prisão depois de matar bebê de sua namorada

Ambas as reivindicações foram contestadas na justiça pela mãe e os paramédicos de Alfie.

44

Michael, que tinha bebido cinco litros de cerveja naquela noite, disse que “não tinha idéia” de como Alfie ficou ferido.

444

Um exame posterior revelou que Alfie tinha morrido de ferimentos traumáticos e extensa hemorragia no cérebro.

Michael tinha encorajado a nova mãe a sair para uma noite com suas amigas, oferecendo-se para cuidar da criança.

A mãe do bebê disse que seu filho era saudável e respirava normalmente antes de morrer.

Fonte: Mirror

Mãe divulga fotos de seu bebê usando drogas e consumindo álcool nas redes sociais e causa revolta

Estas imagens angustiantes mostram uma mãe incentivando seu filho a utilizar álcool e drogas.

As imagens foram postadas no Facebook e virou caso de polícia, devido à repercussão negativa.

A mãe, da Argentina, postou suas fotos chocantes em janeiro, pela primeira vez. Muitas pessoas estão inconformada pelo fato da demora de um indiciamento policial capaz de tirar as fotos do ar, pois ficaram muito tempo publicadas, sem nenhum problema.

Em uma imagem, é possível ver o menino, que provavelmente não possui mais de 2 anos de idade, com a boca aberta, enquanto sua mãe derrama cidra para ele beber, diretamente da garrafa.

Outra imagem, publicada no dia 17 de junho, mostra a criança acendendo um cigarro, com o subtítulo: “Meu lindo bebê, você está drogado, graças à mamãe”.

A polícia recebeu uma infinidade de relatórios de usuários da rede social, preocupados com o abuso de crianças. Após um processo e uma ação na justiça, as fotos foram removidas do Facebook.

untitled