Arquivo mensal: janeiro 2016

“Minha filha não consegue dormir sozinha”, diz mãe de menina abusada em van escolar

Do R7, com Record Minas

Os dois motoristas negaram ter cometido os abusosPolícia Civil/Divulgação

A mãe de uma das meninas abusadas pelo motorista de uma van escolar em Belo Horizonte disse que a criança está aterrorizada. A garota, de quatro anos, foi uma das três vítimas de Helbert Martins Marques, conhecido como “Cebolinha”, de 53 anos. As outras meninas têm dois e oito anos.

A mãe da aluna descobriu o abuso porque a filha foi diagnosticada com uma doença sexualmente transmissível, o papilomavírus humano HPV.

— Minha filha hoje não consegue dormir mais sozinha, não vai ao banheiro sozinha, não aceita que a gente dá banho nela. É uma criança com medo, com sono inquieto.

O motorista atendia a escolas dos bairros Castelo e Caiçara. Ele cometia os crimes dentro da van nos trajetos entre a casa das meninas e o colégio. A garota de oito anos chegou a ir à casa do motorista. Ela contou que ele ofereceu um picolé para atrai-la até a residência.

Marques foi apresentado pela Polícia Civil ao lado de Ronaldo Meira Amaral, de 45 anos, que também conduzia uma van escolar e se aproveitava do emprego para abusar sexualmente de crianças.

A vítima, de sete anos, era transportada por ele havia um ano. O pai da garota diz que o motorista chegou a mudar o itinerário para deixar a aluna por último em casa.

— No dia 24 de novembro, foi o dia do abuso maior. Ela chegou em casa já sem as roupas íntimas, com o cabelo todo bagunçado. Isso já era por volta das 20h e ele falou que a van tinha estragado.

Ao ser questionada, a menina contou à avó sobre os abusos e disse que não havia falado antes sobre o que acontecia por medo de Amaral, que ameaçava deixá-la de castigo na van e de matar os pais caso ele fosse descoberto.

Apesar da semelhança entre os casos os suspeitos não se conheciam e agiam sozinhos. Os dois negam ter cometido os abusos. Marques alegou que trabalhava sempre com ajudantes na van e por isso nunca ficava sozinho com as crianças, contudo, não soube informar os nomes dessas pessoas.

Os dois foram encaminhados para o presídio Inspetor José Martinho Drumond, em Ribeirão das Neves, na região metropolitana de Belo Horizonte.

Anúncios

Casal é preso após amarrar e amordaçar menina de 3 anos dentro de saco de lixo com fezes

Um homem e uma mulher foram presos depois que a polícia encontrou uma menina de 3 anos de idade amordaçada e amarrada com fita adesiva dentro de saco de lixo com fezes.

Os policias foram chamados s uma casa nos EUA depois que a menina foi encontrada no saco, que estava dentro de um guarda-roupa.

Ela possuía as mãos, pernas e boca presas com fita adesiva, estava gravemente desnutrida e cercada por fezes.

As autoridades prenderam a mãe da criança, Mayra Yomali Solis, e Fransico Rios-Covarrubias, que estava “cuidando” da vítima enquanto Mayra, uma sem-teto, trabalhava em Mesa, no estado do Arizona. Ela visitava a filha apenas uma vez por semana.

Casal é preso após amarrar e amordaçar menina dentro de saco de lixo com fezes

Policiais encontraram uma menina de 3 anos amordaçada e amarrada com fita adesiva dentro de saco de lixo com fezes. Ela estava dentro de armário. Foto: Fransico Rios-Covarrubias Via: Mesa Police Department

Tudo foi descoberto porque um homem que Rios-Covarrubias conheceu na internet foi até a residência para ter relações íntimas com ele e sentiu um cheiro ruim.

 

Foto: Mesa Police Department

Foto: Mayra Yomali Solis. Via: Mesa Police Department

Depois que o homem encontrou a criança no armário, Fransico o perguntou se queria ter relações com a menina.

Ele relatou o caso à polícia. John Meza, chefe da polícia de Mesa, disse a criança mal podia ficar de pé e que havia sido escondida no armário para que Rios-Covarrubias pudesse ter relações com o rapaz.

Foto: KPHO/KTVK

Foto: KPHO/KTVK

Em outro incidente a mãe tinha raspado a cabeça da menina e inventado que ela possuía câncer, tudo para tentar ganhar dinheiro.

Rios-Covarrubias foi mandado para a prisão sob a acusação de tráfico sexual, rapto, conduta sexual com menor de idade, juntamente com o abuso de crianças. Solis foi presa sob a acusação de abuso infantil.

Fonte: Mirror

“Ela sempre batia nela e dizia que a menina era um lixo”, diz filho da madrasta de Micaela

Do R7

No dia da morte, Wellington chegou em casa de madrugada e percebeu que algo estava estranho, mas apenas durante a manhã ele viu que a menina estava morta e chamou a polícia Reprodução / Rede Record

Wellington da Silva, de 25 anos, filho da madrasta da menina Micaela Ramos, denunciou a mãe e o padrasto à polícia após a menina, de quatro anos, ser encontrada morta dentro de casa, em Brás de Pina, zona norte. Segundo ele, agressões e maus tratos eram constantes dentro de casa, porque Joelma Souza da Silva, de 43 anos, sempre foi agressiva. A menina foi encontrada morta na manhã da última terça-feira (19).

No dia da morte, Wellington chegou em casa de madrugada e percebeu que algo estava estranho, mas apenas durante a manhã ele viu que a menina estava morta e chamou a polícia.

— Quando eu acordei era umas 9h20 e minha mãe estava gritando com a menina no colo dela. Ela tava balançando a garota, dizendo que ela tinha falecido. E aí eu perguntei o que eles fizeram com ela.

O laudo inicial da perícia também confirma que a menina sofria agressões constantes. Alguns vizinhos também relatam que a menina aparecia com hematomas no corpo, sem explicação. Segundo Robson, vizinho da família, Joelma sempre inventava uma desculpa para os machucados ao ser alertada.

— Só vivia machucada. Eu avisei. Com certeza o pai dela via isso, mas não devia dar a mínima. Ela só vivia roxo, com olho inchado, e ela sempre falava que a menina tava brincando ou caía da cadeira.

Segundo o Wellington, quando a mãe soube responder direito o que tinha acontecido, ele não teve dúvidas da participação de Joelma no crime e chamou a polícia.

— Eu não poderia pensar como filho, mas dentro da lei. Se fosse invertido? Se fosse o marido dela que tivesse feito algo comigo. Ela batia e falava: “você é um lixo”. Na última vez que ele abriu a cabeça dela, ela reclamou com o pai que a “mãe tinha batido nela com um pau”.

Mãe afirma que relação com o pai era boa

Marcele Almeida, mãe da menina Micaela, de 4 anos, que teria sido morta pela madrasta e pelo pai, se diz revoltada com o crime. Segundo ela, nos últimos dias, o ex-companheiro, Felipe Ramos da Silva, de 29 anos, não a deixava ver a filha.

— Revolta. Só isso que sinto. Uma morte brutal. Eu pedi a ele, uns dias antes, pra ver ela, ele não deixou.

Marcele e a filha não moravam juntas havia dois anos. Segundo ela, mesmo com a separação, a relação com o pai da menina era boa.

— Não consigo acreditar até agora que isso aconteceu com minha filha. Não consigo acreditar, não consigo. A última pessoa que eu esperava era ele, de deixar uma coisa dessas acontecer. Ele foi omisso, ele não chegou ao ponto de tocar, mas ele viu, ele sabia que ela apanhava, ele não falou nada. Ele não fez nada.

Menina de 4 anos morta pela madrasta e pelo pai sofria agressões constantes, diz polícia

Do R7

Criança foi morta dentro de casaReprodução / Facebook

A menina Micaela, de 4 anos, sofria agressões constantes, segundo o laudo inicial da perícia. Alguns vizinhos também relatam que a menina aparecia com hematomas no corpo, sem explicação. Joelma Souza da Silva, de 43 anos, madrasta da menina, é suspeita de matá-la. O pai, Felipe Ramos da Silva, de 29 anos, também foi indiciado pelo crime. Segundo Robson, vizinho da família, Joelma sempre inventava uma desculpa para os machucados ao ser alertada.

— Só vivia machucada. Eu avisei. Com certeza o pai dela via isso, mas não devia dar a mínima. Ela só vivia roxo, com olho inchado, e ela sempre falava que a menina tava brincando ou caía da cadeira.

A menina nunca confirmou as agressões. Wando, junto com a esposa, também era vizinho da família e às vezes cuidava de Micaela enquanto o pai ou a madrasta estavam fora de casa.

— Ela ficava com receio de falar alguma coisa, entendeu? Falava que caiu no banheiro ou na escada.

O corpo de Micaela foi levado para o IML, onde passou por uma autópsia. Somente exames complementares poderão confirmar a causa da morte. A perícia inicial aponta que, além de estrangulamento, a criança foi atingida com pauladas. O delegado André Leiras, da Divisão de Homicídios da Capital, afirma que há elementos para prendê-los.

— Os elementos informativos que nós temos nesse momento já é o suficiente para termos a prisão deles decretada por homicídio qualificado e fraude processual.

Joelma tem passagem na polícia por lesão corporal. Leiras afirma que ela nega.

— Ela nega a todo momento a prática do crime. Quando é inquirida sobre o fato, ela não tem resposta, só dá respostas vazias. Ela não sustenta argumentações.

Em depoimento, o pai da menina afirmou que a companheira foi responsável pelo crime. Mas ele também será indiciado. A fraude processual aconteceu porque eles tentaram disfarçar a cena do crime para confundir os investigadores.

— Eles limparam a cena do crime, eles limparam, foi tudo lavado. Roupas de cama foram jogadas fora.

O filho de Joelma, de 25 anos, foi responsável por denunciar o crime à polícia. A mãe de Micaela ainda não foi localizada, e nenhum parente ainda liberou o corpo da criança do IML.

Estuprador pega 22 anos de prisão após abusar de bebê de seis meses e postar fotos na internet

Um estuprador foi preso e condenado por abusar de um bebê de seis meses de vida.

Thomas Poole foi descoberto por um policial disfarçado que monitorou conversas dele em chats na internet. O agressor havia postado fotos de ato via anal e oral com a vítima recém-nascida.

Depois de ser preso, ele disse: “Isso é ridículo”, mas logo confessou os crimes.

Descobriram-se diversas imagens de material infantil perturbador no computador do criminoso.

Estuprador pega 22 anos de prisão após abusar de bebê e postar fotos na internet

Thomas Poole, um estuprador, foi condenado no Reino Unido a 22 anos de prisão depois abusar de um bebê de seis meses e postar fotos na internet.

Na Guildford Crown Court, no Reino Unido, o juiz Christopher Critchlow considerou mandá-lo à prisão perpétua por representar um risco para crianças.

A autoridade afirmou que os delitos ocorreram quando o bebê tinha entre seis e 18 meses de vida, e que o criminoso postou centenas de fotos dos abusos.

Por 14 acusações, o homem foi condenado a 22 anos de prisão com um período de licença prolongado por oito anos, além de ter sido colocado no registro de criminosos sexuais por tempo indefinido.

Fonte: Metro

Pedófilo pega prisão perpétua após estuprar dois bebês e uma criança durante 5 anos

Um pedófilo foi condenado à prisão perpétua após ter estuprado repetidamente dois bebês e uma menina.

Stuart Young, que caçava fez suas vítimas entre 2008 e 2013, foi condenado à prisão perpétua pela Alta Corte de Edimburgo (Escócia).

O homem de 37 anos estuprou um bebê quando ele tinha menos de três meses de vida, além de cometer o mesmo abuso a outra criança de seis meses de idade, continuando a abusar dela até seus cinco anos.

Como se não bastasse, Stuart agrediu sexualmente ainda uma menina de nove anos de idade.

Pedófilo pega prisão perpétua após estuprar dois bebês e uma criança

Pedófilo Stuart Young, foi condenado à prisão perpétua após ter estuprado repetidamente dois bebês e uma menina durante cinco anos.

Após ser denunciado à polícia, ele finalmente foi preso em janeiro de 2014, depois que uma das vítimas contou sobre os abusos. Ele negou os crimes, mas foi considerado culpado depois de um julgamento.

 

2

Agora o juiz Paul Arthurson impôs uma ordem de restrição ao longo de toda a vida do pedófilo, o que significa que ele não será libertado até que já não seja considerado uma ameaça.

Young também vai passar o resto de sua vida com seu nome no registro dos agressores sexuais.

Fonte: Mirror

Homem pega prisão perpétua após se filmar estuprando filha de sua namorada, uma criança de 6 anos, e dizer que menina foi quem o procurou

Um homem que filmou a si próprio estuprando a filha de sua namorada, uma criança de 6 anos de idade, e não mostrou arrependimento, foi condenado a prisão perpétua.

Virgilio Ocampo, de 35 anos, negou o crime e disse: “Eu não entendo por que o procurador da República está pedindo uma sentença máxima para algo que não aconteceu”, durante sua condenação na Suprema Corte de Bronx, EUA.

O júri considerou o homem culpado de agressão sexual predatória depois de assistir ao vídeo do lamentável ocorrido de setembro de 2013.

A mãe da vítima descobriu a gravação no celular do namorado meses depois, e admitiu que estava por perto quando tudo aconteceu. “O inferno não é bom o suficiente para ele”, escreveu a mulher em uma carta que lida no tribunal.

Homem pega prisão perpétua após se filmar estuprando filha de sua namorada

Virgilio Ocampo, de 35 anos, se filmou estuprando a filha de sua namorada, uma criança de 6 anos, não mostrou arrependimento e foi condenado à prisão perpétua.

 

A criança, que hoje tem 8 anos, tem sido internada e retirada de hospitais psiquiátricos desde o crime, e especialistas temem que ela cometa suicídio. Inicialmente Virgilio a havia culpado pelo que ele fez, dizendo que a menina foi quem o procurou.

Fonte: NyDailyNews