Arquivo mensal: abril 2013

Homem marca encontro sexual com criança de 11 anos e é preso em flagrante

O homem, que não tinha passagens, foi preso em flagrante e levado para o Ciops (Centro Integrado de Operações e Segurança) da cidade e responderá por estupro de vulnerável (tentado)
 
Um homem foi preso em flagrante no começo da tarde desta segunda-feira (29) depois de marcar um encontro sexual com uma criança de 11 anos em Planaltina de Goiás, região do Entorno do DF.

Ele mantinha contato telefônico com a menina há pelo menos dois meses e ligava várias vezes ao dia para falar palavras de baixo calão, fazer ameaças e tentar seduzir a jovem.

A mãe da garota percebeu que a filha estava ficando com medo e começou a gravar todas as ligações.

Depois de ouvir o teor das conversas, ela decidiu ir até o Ciops (Centro Integrado de Operações e Segurança) da cidade para fazer um boletim de ocorrência.

Em seguida voltou para casa e orientou que a menina aceitasse o convite de sair com o rapaz. No entanto, a ação foi combinada com os policiais, que no lugar da criança foram ao encontro do rapaz.

O homem, que não tinha passagens pela polícia, foi preso em flagrante. O delegado responsável pelo caso, Dr. Fernando Barbosa, informou que o agressor poderá pegar até 15 anos de prisão.

— Nós recebemos a denúncia e acompanhamos o caso de perto. Ouvimos as conversas e fomos no lugar da menina nesse encontro, onde ele certamente a levaria para algum ato sexual. Ele vai responder por estupro de vulnerável (tentado).

Morre no hospital menina estuprada e torturada na Índia

AFP

 

 
O estupro de crianças em abril provocou uma nova onda de protestos na Índia (acima, em Allahabad)

A menina de quatro anos estuprada e torturada há duas semanas faleceu em um hospital da Índia, anunciaram fontes médicas nesta terça-feira (30).

“Morreu vítima de uma parada cardíaca às 19h45 de segunda-feira (29). Seu estado piorou e a pressão arterial caiu. Não reagia aos medicamentos”, afirmou P.A. Siram, porta-voz do Care Hospital de Nagpur, no Estado de Maharashtra Oeste.

A menina havia sido encontrada inconsciente pelos pais no dia 18 de abril, no Estado de Madhya Pradesh, região central da Índia, um dia depois de ter sido violentada, segundo a polícia, por um homem de 35 anos que a deixou abandonada em uma granja.

A polícia já prendeu um dos suspeitos de cometer o crime.

A tragédia é mais uma de uma longa lista de agressões covardes contra meninas e mulheres que chocaram a Índia.

Em 5 de abril, uma menina de cinco anos foi sequestrada em um bairro de classe média baixa de Nova Déli e estuprada por seu agressor por cerca de 40 horas.

O caso provocou protestos na capital contra os crimes sexuais e denúncias contra a aparente inércia policial para investigar as agressões.

Em dezembro, o país foi abalado pela morte de uma estudante de Medicina de 23 anos depois de um estupro coletivo em um ônibus de Nova Déli.

Justiça indiana investiga caso de bebê que foi vendido pelo avô por R$ 1.600 e uma garrafa de licor

 

 

 
Polícia indiana prendeu quatro suspeitos; bebê voltou para os braços da mãe Reprodução/TV ANI

A Comissão de Direitos Humanos da Índia (NHRC) investiga o caso de um bebê que foi vendido três vezes em dez dias, sendo que a última delas teria sido por meio do Facebook, informou nesta terça-feira (30) uma fonte oficial.

“Pedimos relatórios aos delegados de Ludhiana e Nova Déli para que expliquem como a criança foi sequestrada ainda no hospital em que nasceu”, afirmou Jaimini Kumar Srhivastava, porta-voz da Comissão da NHRC.

O organismo estatal de direitos humanos também solicitou um relatório ao Ministério da Mulher e Desenvolvimento da Infância.

O bebê nasceu no último dia 3 de abril em um centro médico particular de Ludhiana, no Estado de Punjab, sendo que o próprio avô materno disse à sua filha que o mesmo tinha morrido.

De acordo com a imprensa local, após uma semana, esse mesmo avô vendeu o recém-nascido por R$ 1.649 (US$ 833) mais uma garrafa de licor a uma enfermeira do hospital.

Mais tarde, a mesma criança foi vendida por R$ 10,9 mil (US$ 5.500) a um assistente de laboratório, que, por sua vez, o revendeu por R$ 30 mil (US$ 14,8 mil) a um empresário de Nova Déli, com quem havia se comunicado por meio do Facebook.

 

Embora a mãe da criança em questão tenha registrado uma denúncia após ter desconfiado do dinheiro em poder de seu pai, a polícia demorou duas semanas para registrar a ocorrência.

 

Finalmente, no dia 24 de abril, as forças de segurança prenderam o avô da criança e outras três pessoas envolvidas neste caso, enquanto o bebê retornou para sua mãe.

Segundo as investigações preliminares policiais, o avô revelou que queria que sua filha, que foi abandonada por seu marido, se casasse novamente e, por isso, o bebê não era bem-vindo aos seus olhos.

“Ele pensou que, ao se desfazer da criança, poderia acabar com o primeiro casamento de sua filha”, explicou um delegado de polícia de Ludhiana Ishwar Singh ao canal NDTV.

Segundo números do governo, um menor desaparece a cada oito minutos na Índia, o que em 2011 supôs o desaparecimento de 60 mil crianças, das quais apenas 22 mil nunca foram encontradas e, certamente, acabaram sendo vítimas de redes de tráfico de menores.

Dois bebês morrem após mãe esquecê-los no chuveiro por dez horas na Austrália

Um bebê de dez meses e seu irmão de dois anos foram encontrados mortos no banheiro após a mãe das crianças, Miranda Hebble, pegar no sono e dormir durante dez horas.

Miranda tinha 22 anos quando o caso aconteceu, em 2008, em Perth, na Austrália. Segundo o inquérito, ela passava por uma rotina exaustiva, uma vez que o filho mais novo sofria de insônia e fazia com que a mãe passasse muitas horas acordada. Miranda também não apresenta histórico de problemas mentais nem abuso de drogas ou bebidas.

Ao acordar, a jovem encontrou Malachi, bebê de apenas dez meses, flutuando e com hematomas no rosto, enquanto Lochlan, de dois anos, permanecia deitado no chão com sangue saindo de sua boca.

Ele também tinha um arranhão na testa e uma marca no estômago, segundo o tribunal. As informações são do tabloide britânico Daily Mail.

Miranda ficava responsável por cuidar dos filhos enquanto o marido, Christopher Stevens, trabalhava fora. Lochlan havia sujado as fraldas e também o piso, as paredes e até mesmo o berço do bebê com fezes, o que a obrigou a colocar as duas crianças no chuveiro, deixando-as lá e fechando a porta em seguida. Infelizmente, Miranda adormeceu nesse meio tempo.

Ao ligar para o serviço de emergência, a mãe disse que havia “apagado”.

— O chuveiro ficou ligado e tudo se encheu […] eles não estão respirando. Eles estão mortos.

O tribunal também ouviu relatos de um incidente anterior, em que Miranda deixou o filho mais novo dentro de um carro enquanto visitava uma loja.

Na ocasião, o bebê foi tirado do veículo pela polícia. O pequeno estava quente, chorando e com o rosto vermelho. A mãe disse aos policiais que havia deixado o menino lá porque estava tão exausta que temia deixá-lo cair em algum lugar.

Segundo o patologista Jodi White, Malachi, de dez meses, pode ter morrido por afogamento. Seu irmão, Lochlan, pode ter sofrido de exaustão, fome e hipotermia. Exames não chegaram a uma conclusão definitiva sobre a causa das mortes

Miranda recebeu o apoio de familiares e já está separada do pai dos meninos. O inquérito ainda não foi concluído.

10_51_43_549_file

 

 

 

Homem é preso suspeito de matar criança de 5 anos espancada

Reprodução Rede Record
 
morte_3004
Menino sofreu forte pancada na barriga e teve hemorragia
 
Anderson José Moura Isidoro, de 19 anos, foi preso suspeito de matar o filho de cinco anos da namorada por espancamento. Na delegacia, o jovem disse que tinha apenas a intenção de castigar a criança quando aplicou as pancadas.

O laudo pericial apontou morte por ruptura do fígado e hemorragia. O crime aconteceu no último dia 9 em Comendador Soares, na Baixada Fluminense, quando a mãe foi trabalhar e deixou o filho sob responsabilidade o namorado.

O suspeito afirmou, em entrevista à Record, que tentou socorrer o pequeno Erick David de Jesus Cerqueira após agredi-lo.

— Ele estava desobediente, eu peguei ele, dei uns tapas. Aí ele veio para o hospital. Mas não foi pra matar, foi só para corrigir. Estou muito arrependido. Vão pensar que eu sou um assassino, mas não sou.

O delegado Luis Henrique Guimarães revelou que Anderson Isidoro tentou fugir das acusações no primeiro depoimento à polícia, mas acabou confessando o crime com o avanço das investigações.

— O padrasto disse pra gente que, na verdade, a criança tinha caído, batido com a cabeça, e que depois que ele deu uma dipirona o garoto ficou gelado. No laudo ficou comprovado que a criança morreu por ruptura no fígado, ou seja, hemorragia interna em virtude de alguma pancada que ele deu na barriga da criança.

A irmã de Erick, de dois anos, também foi hospitalizada com hematomas por todo o corpo. Ela já recebeu alta e está sob custódia do conselho tutelar. Anderson afirmou que a menina vinha sendo machucada pela criança que morreu.

— Ele estava batendo na irmã. Ele batia nela direto, mordia. Tinha vezes que eu corrigia ele por isso também.

O suspeito vai responder por tortura com resultado morte e pode pegar até 16 anos de prisão.

Policial militar atira na ex-namorada e foge

Do R7, com Cidade Alerta

 
Enfermeira foi baleada pelo ex-namorado. Segundo família, ele teria molestado a filha dela, de três anos
Reprodução/Rede Record

Um policial atirou na ex-namorada e fugiu. Segundo a família da vítima, ele teria molestado a enteada, de três anos.

Uma enfermeira, de 31 anos, conheceu o policial militar, de 42, logo depois de ele descobrir que estava com câncer. O casal decidiu morar junto para enfrentar a doença. Foram seis meses de relacionamento. Logo após a cura, começaram as discussões, como conta a mãe da vítima, Lucimar Bard.

— Ela comentou comigo que ele tinha apontado arma para ela, que ele tinha dado um tapa no rosto dela dentro do carro. Isso foi amedrontando ela.

Diante das constantes ameaças, a enfermeira terminou a relação. Uma semana depois, voltou à casa da ex-namorada para pegar uma mala. Foi quando a enteada, de três anos, fez uma revelação, segundo Lucimar.

— Minha neta sai na rua e falou: “Eu não gosto mais dele, porque passou a mão em mim”. E falou nas partes íntimas. Minha filha falou assim: “Se isso aconteceu, vou na delegacia. Aí ele foi embora.

Cinco minutos depois, o policial voltou à casa da enfermeira e os dois começaram a discutir. Bastante exaltado, ele tentou impedir que ela fosse ao Distrito Policial. Mas ela estava decidida a registrar queixa. Nesse momento, ele sacou a arma e atirou.

Um dos tiros atravessou a bolsa e atingiu o peito da ex-namorada. O outro disparo acertou o braço da vítima. A família registrou boletim de ocorrência, mas o PM continua foragido.

CPI do tráfico de pessoas vai investigar caso Fernanda Hellen de 11 anos

FERNANDA ELLEN  MIRANDA CABRAL DE OLIVEIRA , 11 ANOS DESAPARECIDA DESDE  O DIA 7 DE JANEIRO DE 2013

                                                 
 
Um mês se passou desde o desaparecimento da menina Ellen, quando ela foi até a escola que fica a poucos metros de sua casa, buscar o boletim por volta das 15h daquela segunda-feira, ela não voltou mais para casa.
 
Nesses trinta dias, intensas buscas  foram realizadas pela polícia, alguns suspeitos investigados, inclusive manchas de sangue que foram encontradas, após os exames de laboratório, foi constatado que não eram de Ellen.
 
AMEAÇAS

Fábio Cabral, pai de Ellen,  informou que um desconhecido se aproximou dele e disse que tinha gente insatisfeita com ele no Bairro, que se mudasse porque iria morrer. O desconhecido teria dito que era um recado. Fabio Cabral disse que não conhecia o homem e que não sabe por que foi ameaçado. A ameaça já teriam chegado ao conhecimento do secretário de Segurança do Estado, Cláudio Lima.

 

CPI VAI INVESTIGAR

Atendendo pedido do deputado federal paraibano, Major Fábio (DEM), o presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) destinada a investigar o tráfico de pessoas no Brasil, deputado federal Arnaldo Jordy (PPS-PA), garantiu total apoio ao caso da adolescente desaparecida há 30 dias, em João Pessoa, Fernanda Hellen.

O Major Fábio também pediu a participação da Polícia Federal no caso. Além disso, o parlamentar da Paraíba solicitou ao líder do seu partido na Câmara sua indicação para participar como membro titular da CPI.

Da tribuna, o Major Fábio fez um apelo aos telespectadores da TV Câmara. “Vocês podem ver a foto de Fernanda Ellen no Facebook. Vamos fazer uma mobilização porque o estado da Paraíba está mobilizado, querendo saber o que aconteceu com essa adolescente”, discursou.

O Major conversou com o presidente da CPI que garantiu total apoio e justificou a importância da participação da Polícia Federal na investigação.

“Para que possamos encontrar essa menina e dar uma resposta aos seus familiares e a todo estado da Paraíba. Se estiver acontecendo um rapto, no caso de tráfico de seres humanos, queremos a intervenção da Polícia Federal e da CPI. As polícias Militar e Civil estão no caso há 30 dias com esforço redobrado. O governo colocou um delegado especial e pediu atenção a esse caso, mas há 30 dias ninguém sabe o que aconteceu com essa jovem”, lamentou.

O parlamentar disse ainda que o seu gabinete tem trabalhado intensamente junto a assessoria parlamentar do Ministério da Justiça, em busca de informações sobre a participação da Polícia Federal no caso.