Arquivo mensal: novembro 2016

Pai é condenado a 72 anos de prisão por estuprar as quatro filhas no Piauí

Juliana BarrosDo G1 PI

TJ-PI concedeu coletiva sobre o trabalho da Justiça na Vara Agrária (Foto: Reprodução/TV Clube)Homem ainda será julgado por abusos contra outros dois filhos (Foto: Reprodução/TV Clube)

Um homem de 59 anos, foi condenado a 72 anos de prisão por estuprar as quatro filhas emTeresina. Segundo o juiz José Olindo Gil Barbosa, titular do Juizado de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher, ele tem seis filhos e é acusado de estuprar todos eles. A sentença se refere apenas aos crimes cometidos contra as quatro garotas e o caso dos dois meninos ainda vai ser julgado. Todo o fato veio à tona em março deste ano e as investigações corriam em segredo de Justiça.

“Os casos aconteceram por cerca de 10 anos e tanto os filhos como a mulher sofriam ameaças dele para não relatar os casos. Ele chegou a usar uma máquina de choque para ameaçar e impedir as denúncias. Este já era o seu segundo casamento e, segundo informações, a primeira mulher foi embora e deixou os filhos com ele, pois não aguentava a situação. Uma cunhada também foi vítima dele quando ficou um tempo na casa para ajudar a irmã, após o parto de um dos filhos. Segundo consta nos relatos, ele usou um sonífero para dopar a cunhada e cometer o crime”, contou o juiz.

A filha mais velha, que hoje tem 19 anos, conta que sofreu mais de 100 abusos e que chegou a ser obrigada a perder a virgindade com um namorado para que ele não fosse culpado. “Os abusos aconteciam desde muito cedo. Uma das filhas, hoje com 15 anos, contou que começou aos 8 anos e ele as obrigava a assistir filmes pornográficos e presenciar os estupros aos outros irmãos. Ele sempre usava de muita violência e uma das filhas chegou a contrair uma doença sexualmente transmissível. Ele é um sádico, em 27 anos de magistratura eu nunca tinha visto caso parecido”, relatou.

O homem foi condenado por crimes de estupro de vulnerável, exposição de material pornográfico, ameaças e agressões. O estupro dos meninos ainda vai ser julgado e, por isso, a condenação deve aumentar, após somar todos os casos. Ele era funcionário da prefeitura de Teresina e morava com a família no bairro Macaúba, na Zona Sul, da capital. O homem está preso desde março deste ano na Casa de Custódia de Teresina.

Anúncios

Padrasto da menina Laura Beatriz é condenado a 25 anos de prisão em SC

Do G1 SC, com informações da RBS TV
Laura Beatriz Cardozo morreu em abril de 2016 (Foto: Reprodução/RBSTV)Laura Beatriz Cardozo morreu em abril de 2016 (Foto: Reprodução/RBSTV)

Quase sete meses após a morte da menina Laura Beatriz Cardozo, de 3 anos, o padrastro dela, Rafael Silva dos Santos, de 21 anos, foi condenado a 25 anos, dois meses e seis dias de prisão em regime fechado pelos crimes de estupro e tortura seguida de morte.

O julgamento ocorreu nesta quinta-feira (3) em Araquari, no Norte do estado, onde a família vivia. A mãe da criança, Rozemére Cardozo, de 26 anos, foi condenada por omissão. Ela deverá cumprir pena de um ano, quatro meses e 24 dias de detenção, em regime aberto, e poderá recorrer em liberdade. Ela foi solta ainda na quinta-feira.

Já o padrastro continuará preso enquanto traminarem eventuais recuros. O homem cumpre pena na UPA de São Francisco do Sul.

O crime
Laura Beatriz Cardozo morreu no dia 10 de abril, um dia após dar entrada no pronto-socorro da cidade com vários hematomas pelo corpo, parada cardiorrespiratória e traumatismo craniano.

O helicóptero da polícia conduziu a menina para um hospital de Joinville. A criança chegou a passar por uma cirurgia na cabeça, mas não resistiu. De acordo com a Polícia Militar de Araquari, o padrasto da garota informou no pronto-atendimento que estava de bicicleta com a menina quando foram atacados por um cachorro. Ele afirmou que os dois teriam caído da bicicleta e que um animal mordeu a menina.

Versões contraditórias
Após ser confrontado, o rapaz mudou a versão e informou à PM que não havia bicicleta e que estava apenas com a criança no colo quando foi atacado por cachorros. O padrasto chegou a fugir do hospital, mas acabou preso em flagrante ainda no dia 9 de abril, quando Laura foi internada no hospital. Um exame comprovou que a criança foi estuprada

A mãe da menina chegou a confirmar a versão do padrasto. Ela contou que estava trabalhando e deixou a menina aos cuidados do companheiro. Em depoimento à Polícia Civil, a mãe negou torturas, maus-tratos ou omissão.

Ela também afirmou que não presenciou nada no dia em que a filha foi levada ao pronto-atendimento de Araquari e que não acreditava na versão do companheiro. A mulher foi presa preventivamente no dia 20 de abril.

Algumas testemunhas relataram em depoimento que as agressões contra a criança eram frequentes. Na casa da família, a polícia encontrou papel higiênico e gazes sujos de sangue.

À Justiça, Rafael negou ter cometido os crimes, questionou as provas e acusou a ex-companheira de ter agredido a menina. A mulher negou ter agredido a filha e disse que não sabia que o companheiro era violento.

Sentença
Na sentença proferida nesta quinta-feira (3), a juíza Cristina Paul Cunha Bogo escreveu que as lesões no corpo da menina demonstraram “a agressividade exagerada e o emprego de meio insidioso, que evidenciam o desapego e frieza do réu para com sua enteada”.

Em relação à mãe, a juíza escreveu que não ficou comprovado que ela agredia, de fato, a criança, mas que “inexiste qualquer justificativa para não ter agido com o cuidado, zelo e cautela que se espera de uma mãe diante da prática de tamanha crueldade contra sua prole”.

Testemunhas relataram que as agressões à criança eram frequentes. “Foi apurado que Rozemére já presenciou Rafael desferindo bengaladas na cabeça e nas costas de Laura, bem como deixando-a, em cadeira de rodas por conta de uma fratura no fêmur, do lado de fora da casa, no escuro, sozinha, chorando”, diz a sentença.

Até a publicação desta notícia o G1 tentava contato com os defensores do padrasto e da mãe da criança.