PB tem 349 casos de violência sexual contra crianças sob investigação

Do G1 PB

 

 Pelo menos 349 crianças e adolescentes foram vítimas de algum tipo de violência sexual na Paraíba entre os meses de janeiro e abril deste ano. Os dados são do Disque 100, serviço coordenado pela Secretaria Nacional de Direitos Humanos para proteger crianças e adolescentes com foco na violência sexual. Os abusos sexuais aparecem em primeiro lugar, com 256 denúncias. As cidades paraibanas que mais registraram esse tipo de crime contra crianças e adolescentes foram João Pessoa, com 20,31% das denúncias recebidas, Campina Grande, com 16,67%, e Santa Rita, na Grande João Pessoa, com 4,77%.

Denúncias de exploração sexual aparecem logo em seguida, com 85 casos sob investigação. O oficial da Promotoria da Criança e do Adolescente, Rogério Antunes, explica que as pessoas ainda não têm uma noção muito clara da diferença entre abuso e exploração sexual.

“A diferença básica é que, na exploração sexual, os crimes contra crianças e adolescentes beneficiam alguém. Alguém está ganhando dinheiro com esse absurdo. Já no abuso sexual há apenas alguém que violenta uma criança ou um adolescente apenas sob o ponto de vista sexual, não recebe vantagens financeiras”.

O levantamento feito pelo Disque 100 revela ainda que na Paraíba estão sob investigação dois casos de pornografia infantil. Já o uso indevido de imagem de criança ou de adolescente nas redes sociais que está sob investigação no estado é apenas um.

“No entanto, acreditamos e diria até que temos certeza de que o número de crianças e adolescentes que sofreram algum tipo de violência sexual é muito maior. Isso porque mesmo com as campanhas, o número de pessoas que se sentem à vontade para denunciar ainda fica abaixo das expectativas”, pontuou Rogério Antunes.

Não há dados disponíveis sobre igual período do ano passado para efeito comparativo. “Nós passamos a fazer parte do sistema em agosto de 2012. Alguns dados desse período foram perdidos e não foi possível fazer cópia”, acrescentou o oficial da Promotoria da Criança e do Adolescente.

“Com as  campanhas que temos feito, não temos dúvidas de que o número de denúncias aumentou. Não significa dizer que o número de crianças e adolescentes vítimas de algum tipo de violência sexual aumentou. Significa dizer que o número de denúncias aumentou”, enfatizou Rogério Antunes.

Depois de feitas ao Disque 100, todas as denúncias são encaminhadas para a comarca da cidade onde ocorreu a suposta violência sexual em um prazo de 24 horas. No entanto, a prioridade do recebimento da denúncia é dada ao Conselho Tutelar. “Todos esses casos referentes à Paraíba estão sob investigação, o que já é um avanço significativo no combate a esse tipo de crime, geralmente praticado por pessoas muito próximas das vítimas, o que torna a situação ainda mais absurda”, afirmou Rogério Antunes.

‘Violência sexual deixa sequelas inevitáveis’, diz pedagoga
A pedagoga do Centro da Mulher 8 de Março, órgão que faz parte da Rede Interestadual de Enfrentamento ao Abuso e Exploração de Criança e Adolescente (Redexi), Lúcia Gabriel de Oliveira, explicou que uma das mudanças mais perceptíveis no comportamento de crianças que sofreram algum tipo de violência sexual é o silêncio.

“As vítimas de violência sexual, principalmente as crianças, tendem a ficar meio que indiferentes ao mundo. Se antes era extrovertida, passa a adotar um comportamento mais contido, como se estivesse a esconder algo, que na verdade está. Violência sexual deixa sequelas inevitáveis”, afirmou.

Outra consequência também perceptível é a queda no rendimento escolar. “A criança passa a ter um rendimento escolar bem abaixo do que vinha sendo registrado. Um sinal significativo para que os pais e responsáveis fiquem atentos e comecem a observar em pequenos detalhes que muitas vezes revelam esse grande crime, que é a violência sexual contra crianças e adolescentes”, alertou a pedagoga.

Caminhada marca 18 de maio
Com o tema “Chega de Silêncio, disque 100”, o bloco de carnaval Muriçoquinhas realiza neste sábado (18) uma caminhada na avenida Epitácio Pessoa, em João Pessoa, a partir das 16h30. A iniciativa marca o dia 18 de maio, data nacional de combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolescentes.

A iniciativa faz parte das ações de responsabilidade social da GVT dentro do programa Educando GVT, que promove a educação por meio da inclusão digital e social e o uso responsável da internet pelo público infanto-juvenil. A caminhada, que começa na frente do número 4.200, pretende reunir 3 mil pessoas.

A proposta do evento é conscientizar a população sobre a importância da denúncia como mecanismo de combate ao abuso, inclusive quando feito pela internet. A utilização adequada deste meio de comunicação também terá destaque ao longo da caminhada, que será encerrada em frente ao busto Almirante Tamandaré, na praia de Tambaú. “Juntos, iremos chamar a atenção para a proteção das crianças e adolescentes por meio da denúncia de maus tratos, essencial para ajudá-las e muitas vezes salvá-las. Basta discar 100 e contar o que sabe. O sigilo do nome de quem fala é garantido”, afirma Eliane Holanda, diretora do Bloco Muriçoquinhas.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: