O caso Cristian Fernandez é, atualmente, o centro das atenções nos Estados Unidos. Tudo porque o pequeno rapaz está sendo julgado como adulto (again!) e pode pegar prisão perpétua por ter assassinado seu meio-irmão de 2 anos  e estuprado um outro meio-irmão de 5 anos de idade. Os crimes ocorreram em 2011 e atualmente ele está sendo julgado na Flórida.

Para nós aqui, dentro do contexto do post, não nos interessa se ele deve ou não ser julgado como adulto, mas sim o que levou Cristian a cometer tais atos. Nos anos de 1990, cientistas como o norte-americano Jim Fallon e o canadense Bob Hare descobriram que o cérebro de psicopatas assassinos são diferentes do de pessoas normais, isso abriu espaço para descobertas ainda mais fantásticas como a descoberta do gene MAO-A ou “gene guerreiro”. O MAO-A seria uma mutação presente apenas nos psicopatas e, supostamente, os deixariam pessoas agressivas. Mas nascer com uma pré-disposição genética para matar não era suficiente, haveria mais algum fator que levassem psicopatas a matar ? Sim! O ambiente familiar. Pronto! Genética + uma infância em um lar desestruturado era a receita para produzir um psicopata assassino no futuro.

Apesar de não ser uma verdade absoluta, esse parece ser o caso de Cristian.  Seu cérebro não foi escaneado para saber se ele tem as lesões características de um psicopata, mas algumas características do seu comportamento nos levam a crer que sim. Aos 6 anos ele começou a torturar e matar pequenos animais, simulava atos sexuais com outras crianças e chegou a masturbar na frente de amiguinhos na escola. Certamente seu distúrbio de comportamento foi afetado ainda mais com seu ambiente familiar. Para começar, ele nasceu de um estupro. Sua mãe tinha apenas 12 anos quando foi estuprada. Cresceu sendo espancado pelo padrasto que se suicidou em 2010. Em 2007 foi supostamente estuprado por um primo. Além disso, cresceu vendo a mãe e os avós consumindo todo tipo de drogas.

Cristian é um pequeno psicopata que teve o seu gatilho para o assassinato disparado ao crescer em um ambiente desprovido de valores e amor.

Carroll Edward Cole

 

Em uma tarde do verão de 1946 na cidade de Sioux City, estado de Iowa, Estados Unidos, um grupo de crianças sairam para nadar nas águas do Porto de Richmonds. Carroll Edward Cole, de 8 anos, era uma dessas crianças. Como centenas de milhares de crianças que nascem mundo afora, Carroll tinha uma infância difícil, era espancado por sua mãe e obrigado a vê-la fazer sexo com vários homens. Para piorar a situação, ele sofria bullying dos amiguinhos pelo nome Carroll, que segundo eles, era nome de “mulherzinha.”

Um dos amiguinhos de Carroll era Duane, que tinha 9 anos de idade. Quando Duane pulou na água, Carroll resolveu vingar as inúmerias piadinhas que recebia do amiguinho.

“Eu puxei suas pernas e segurei sua cabeça até ter certeza de que ele estava morto,” disse Carroll vários anos depois.

O afogamento do pequeno Duane foi tratado como acidental pela polícia e só seria confessado por Carroll décadas depois. O pequeno psicopata cresceu praticando roubos e aos 15 anos foi flagrado por policiais em atitude suspeita na cidade de Richmond. Ao ser parado pelos policiais Carroll fez uma revelação desesperadora:

“Estou louco para estuprar e estrangular uma mulher!” Ele foi internado para observação em um hospital psiquiátrico e foi lá que veio o seu diagnóstico:

“O paciente é um possível psicopata sexual, potencialmente perigoso para a sociedade. Não é adequado à sua liberação e recomendamos sua internação para tratamento psiquiátrico devido ao seu sadismo e às suas anormais tendências sexuais,” disse uma Junta médica.

Em 1962 Carroll foi transferido para o Hospital Psiquiátrico Estadual de Stockton pois médicos psiquiatras que cuidavam do seu caso em Richmond tiveram dificuldades em tratá-lo devido a complexidade do seu caso. Em Stockton, ele foi atendido pelo psiquiatra I. Weiss que notou em Carroll um medo profundo da figura feminina. Para o psiquiatra, a mente de Carroll só permitiria ele ter relações sexuais com mulheres se ele primeiro as matassem.

Carroll foi solto em 19 de abril de 1963 e 7 anos depois apareceu por espontânea vontade em uma delegacia na cidade de Reno, estado de Nevada. Lá, ele novamente confessou a policiais que o desejo por estuprar e matar mulheres bonitas o estava corroendo por dentro. Ele foi novamente internado em um hospital psiquiátrico. Lá, mais uma vez o diagnóstico foi de psicopatia.

Antes de completar 30 anos, Carroll Edward Cole internou-se 3 vezes em hospitais psiquiátricos e em nenhuma vez obteve o tratamento adequado. Não é só aqui no Brasil que as coisas não funcionam. Em paises do chamado primeiro mundo também. Carroll passou pelas mãos de vários psiquiatras e nenhum deles parece ter visto o real demônio que morava em seu coração. Essa incompetência ou falta de compromisso custou a vida de 16 pessoas. Sim! Após sair da terceira internação, Carroll Edward Cole, que aos 8 anos assassinou um amiguinho, virou um mortal serial killer.

Carroll virou um alcoolatra que pegava mulheres em bares e nas ruas e as estrangulavam. Enterrava um corpo ali, jogava outra no rio lá, e assim foi sua vida de 1971 até 1980, o ano em que finalmente foi preso. Sua história assemelha-se a outro famoso serial killer norte-americano, Jeffrey Dahmer. Assim como Dahmer, Carroll sabia que seus pensamentos não eram certos e sua única salvação foi a bebida, ele bebia para tentar espantar seus pensamentos. Carroll estava sob o efeito de alcool na maioria dos seus assassinatos e em muitos deles não lembrava de absolutamente nada.

Em 1977 ele acordou no quarto de um hotel e havia uma mulher em uma banheira, sem os braços e pernas. Seus órgãos estavam em uma geladeira. Suas nádegas estavam cortadas e havia carne frita em cima de uma frigideira no fogão. Carroll não lembra, mas ele havia praticado canibalismo. Confessou mais de 30 assassinatos mas “apenas” 16 mortes puderam ser confirmadas com provas.

 

 

Outra criança psicopata assassina que se tornaria um macabro serial killer quando adulto foi o alemão Peter Kurten.

Crescido em um ambiente familiar desestruturado, o pequeno Kurten parece ter herdado a psicopatia da família do pai, uma família com inúmeros casos de doenças mentais.  Seu pai, inclusive, estuprava os filhos e os forçavam a fazer sexo com a mãe, sua esposa no caso. Mas diferentemente dos seus irmãos, o sexo parecia o agradar já que aos 6 anos ele já estuprava suas irmãs. Logo o pequeno alemãozinho voltou sua fúria sexual aos animais ao começar a esfaquear ovelhas enquanto fazia sexo com elas. 

Aos 9 anos um acontecimento mostrou que os problemas do pequeno Kurten não se restringia apenas a um comportamento sexual bizarro. Seus dois primeiros assassinatos ocorreram quando ele tinha 9 anos. Ao brincar em uma balsa no Rio Rhine, que corta a cidade de Dusseldorf, Alemanha, Peter Kurten afogou um coleguinha. Quando outro coleguinha pulou na água para tentar salvar o que estava afogando, Kurten segurou sua cabeça até que ele afundasse no rio.

Já adulto, Peter Kurten começou a atacar mulheres para obter prazer sexual. Leia-se: Estuprar e esfaquear uma mulher com tesouradas ou um punhal, para que, com o contato com o sangue, pudesse ter ereção. Também tinha orgasmos ao beber o sangue que jorrava diretamente do pescoço das vítimas. Logo sua urgência em matar se estenderia a crianças e homens.

O nível de perversão sexual de Peter Kurten é algo que entrou para a história. Médicos da época ficaram tão abismados com o comportamento do alemão que, após ser decapitado, sua cabeça foi mantida para estudos. Seria o cérebro de Peter Kurten diferente do de pessoas normais ? Leia aqui.

Outros Casos

 

 

Em 1986, o americano Jeffrey Bailey Jr, de 9 anos, foi deixado sozinho com o amiguinho Ricky Brown, de 3 anos. Jeffrey levou Ricky para a beira de uma psicina e o empurrou lá dentro. Ricky se debateu por vários minutos, gritando por socorro.

“Em vez de estender o braço, Jeffrey puxou uma cadeira para assistir à morte do menino. Depois foi para casa”, diz a psicóloga forense Katherine Ramsland, da Universidade DeSales, nos EUA.

Ao se encontrar com um vizinho, Jeffrey perguntou “o que era a gosma branca” que sai do nariz de uma pessoa que se afoga. A polícia encontrou o corpo de Ricky às 18h40, cerca de 8 horas após o afogamento. “Foi um acidente”, mentiu Jeffrey.

“Ao ser interrogado, o garoto se mostrou indiferente à morte do amigo. Ele estava mais preocupado em ser o centro das atenções do que em sentir qualquer tipo de remorso pelas coisas que havia feito”, conta Ramsland.

 

 

Aos 9 anos, uma criança paulista (nome não divulgado) enforcou a empregada de sua casa usando uma gravata que pertencia ao pai. Ele passou a gravata em torno do pescoço da mulher, fez um laço num cano e puxou. Ele não chegou a suspender sua vítima. Ela desmaiou e acabou se enforcando com o próprio peso.

“O menino apresentava um distúrbio de comportamento violentíssimo. Esfregava fezes na parede ou as atirava nas pessoas. Também tinha perversões sexuais com crianças do mesmo sexo. O garoto não era vítima de pedófilos maiores de idade. Ele é que tomava a iniciativa das ações sexuais. Pegava pedaços de madeira para empalar outras crianças, por exemplo”, revela, sob anonimato, o médico que o atendeu.

O caso da criança paulista foi abafado pela família e não houve nenhum tipo de punição ao garoto. (Fonte: Superinteressante, maio de 2012)

Os Torturadores de Animais

“Qualquer pessoa que, uma vez, chegue à conclusão de que a vida de qualquer animal é indigna de ser vivida, existe o risco de que um dia ele também chegue a conclusão de que a vida humana não vale nada,” escreveu certa vez o humanista Albert Schweitzer.

Hoje, os atos violentos contra animais são considerados indicadores de transtorno mental. Nos Estados Unidos, estudos têm convencido sociólogos, legisladores e tribunais de que atos de crueldade contra animais merecem sim a nossa atenção. Esses atos podem ser os primeiros sinais de uma doença mental que levará os atacantes a serem violentos com seres humanos.

“Assassinos … suas carreiras muitas vezes começam na infância, torturando ou matando animais,” disse o agente do FBI Robert K. Ressler, o mais famoso especialista em serial killers.

Ressler não está sozinho.

“Uma das coisas mais perigosas que pode acontecer a uma criança é matar ou torturar um animal e não acontecer nada com ela.” Margaret Mead, antropologista.

“Desde quando eu era um jovem promotor eu testemunho a correlação direta entre crueldade de animais e violência contra seres humanos. O abuso de animais é o primeiro indicador doméstico de violência. Uma criança que abusa de animais, exibe desprezo pela vida e mais cedo ou mais tarde irá atacar pesoas.” Jeanine Pirro, Promotor do Condado de Westchester, Nova York.

Abuso e violência contra animais podem ser sintomas de um profundo distúrbio. Pesquisas nos campos da psicologia e criminologia mostram que pessoas que começam abusando de animais, seja na infância ou na vida adulta, acabam perpetuando os mesmos abusos contra pessoas.

O FBI foi o primeiro a descobrir essa ligação. Desde os anos 70, quando as informações de crimes puderam ser armazenadas em bancos de dados devido ao surgimento da computação e melhor analisadas, eles notaram que repetidos atos de violência contra animais é uma das características comuns em estupradores seriais e assassinos com psicopatia. Estudos atuais mostram que criminosos violentos são mais suscetíveis a abusar de animais. Em 2010, a Universidade da Flórida realizou um estudo com pacientes do seu departamento de psiquiatria que repetidamente torturavam cães e gatos. O estudo mostrou que todos eles mostravam altos níveis de agressividade para com pessoas, inclusive um dos pacientes havia assassinado uma criança.

Outro estudo realizado pela Universidade do Noroeste (Boston) e pelo Massachusetts SPCA (Sociedade de Prevenção Contra Crueldade a Animais) concluiu que pessoas que na infância abusam de animais, são cinco vezes mais propensas a cometerem crimes violentos contra humanos. Os pesquisadores entrevistaram centenas de prisioneiros que estão no corredor da morte da Penitenciária de San Quentin na Califórnia e mais de 80% deles afirmaram terem cometidos abusos contra animais na infância.

Crianças podem abusar de animais a fim de imitar um membro abusivo da família. Também podem abusar de animais a fim de descarregar sua raiva e ansiedade. Mas também podem abusar de animais pelo simples fato de serem maus. De qualquer forma, deve-se ficar atento.

A tortura e morte de animais é uma das características presentes em crianças com psicopatia. Já passou da hora das autoridades reconhecerem que o abuso para com qualquer ser vivo é inaceitável e constitui um perigo para a sociedade. Além disso, crianças devem ser ensinadas a respeitar os animais e cuidar deles. Se uma criança constantemente abusa de animais, mesmo após o conselho dos pais, é sinal de que algo deve ser feito.

É necessário que a sociedade exerça uma pressão maior em escolas e também nas autoridades judiciais em casos que envolvam abusos de animais. Leis devem deixar claro que o abuso contra esses seres vivos é inaceitável. Os pais devem ficar de olhos nos filhos, não devem ignorar o filho que age cruelmente com animais. Juízes, promotores, policiais, assistentes sociais e investigadores precisam reportar em relatórios abusos contra animais, isso será importante para avaliar se alguém representa uma ameaça à família e á sociedade. Essa análise pode evitar casos como os que eu contarei abaixo.

 

 

Foi na infância que o norte-americano Edmund Kemper mostrou os primeiros indícios de comportamento psicopata. Além de brincar com as bonecas da irmã simulando bizarros comportamentos sexuais, o pequeno Kemper gostava de enterrar vivos gatos que encontrava pela região. Cansado de enterrá-los vivos, o futuro serial killer começou a decapitar gatos e espetar sua cabeças em varas. Não é difícil imaginar o que uma criança que brinca de decapitar gatos fará quando crescer. Em 1964, aos 15 anos de idade, Edmund Kemper começou o seu reinado de sangue assassinando os avós em uma fazenda. Foi internado em um hospital psiquiátrico onde testes reveleram ter um QI de 136. 5 anos depois saiu do hospital para continuar matando. Assassinou mais 6 pessoas em 9 meses. Kemper matava garotas colegiais, levava os corpos para o porão da casa da sua mãe e os dissecava. Decapitava os corpos e fazia sexo com o cadáver sem cabeça.

Em abril de 1973, Edmund Kemper assassinou a própria mãe com um martelo, a decapitou, pegou sua cabeça e usou para praticar sexo oral. Retirou suas cordas vocais e jogou fora, pois segundo ele: “mesmo morta, ela não parava de gritar comigo!”

Após assassinar a mãe, Edmund Kemper se entregou a polícia por vontade própria e disse que gostaria de ser torturado até a morte. Na cadeia se tornou um prisioneiro exemplar, lendo livros que eram gravados em fita para serem ouvidos por cegos.

Perguntado certa vez por um repórter sobre o que ele pensava ao ver uma menina bonita andando na rua, Kemper respondeu:

“Eu imagino como ficaria sua cabeça em um espeto.”

 

 

Os 3 filhos do canadense Keith Hunter Jesperson não devem ter boas lembranças do papai. O gigante de mais de 2 metros de altura costumava torturar gatos no quintal de sua casa para horror dos filhos.

“Meu pai costumava matar gatos que andavam pelas redondezas. Uma vez vi ele quebrando o rabo de vários gatos e pendurando-os pelo rabo, com um nó, no varal do quintal. Sai correndo e contei para minha mãe, quando voltamos os gatinhos estavam mortos no chão e meu pai rindo,” disse Melissa Moore, filha de Keith no livro “Silêncio Quebrado: A História Não Dita da Filha de Um Serial Killer.”

 

 

Interessante a fala da filha de Keith Hunter pois notamos que o serial killer continuou na vida adulta o que ele fazia quando criança: Torturar e matar animais. Keith Hunter teve uma infância difícil, cresceu sem o apoio dos pais e constantemente sofria bullying dos seus colegas devido à sua altura desproporcional. Gostava de torturar pássaros, gatos e cachorros que ele pegava nas ruas. Espancava-os com barras de ferro até a morte. Começou aos 6 anos esmagando cabeças de esquilos e, segundo ele próprio, aos 20 já tinha matado tudo quanto é animal que conhecia.

“Eu era Arnold Schwarzenegger. Era como se eu brincasse de guerra. Quando eu olhava para os cães, eles morriam de medo. Agachavam e faziam xixi. Ficavam tão assustados ao me ver que começavam a tremer. Você chega ao ponto em que matar não é nada demais. É a mesma sensação (matar animais e humanos). Você sente a pressão na gargante deles (animais) tentando respirar. Você realmente tira a vida desses animais e não há muita diferença. Eles lutam por suas vidas tanto quanto um ser humano,” disse ele para espanto de uma repórter que o entrevistou na prisão.

Se você acha que os pais do pequeno monstrinho foram negligentes você acertou. Mas pior do que a negligência é a cumplicidade.

“Uma vez meu pai me viu jogando um gato contra o chão e estrangulando-o. Ele ficou com orgulho do que eu fiz com o gato e se gabava com os vizinhos sobre como eu havia se livrado dos cães e gatos das redondezas. Isso me fez continuar matando e logo comecei a pensar como seria matar um ser humano.” Disse Keith Hunter.

Após separar-se da esposa em 1990, começou uma onda de matança nos Estados Unidos que durou 5 anos. Suas vítimas eram prostitutas e mulheres que ele conhecia em postos e bares de estradas (ele era motorista de caminhão). Matou a esmo durante 5 anos até cometer o erro de matar uma ex-namorada.

Keith Hunter confessou mais de 160 assassinatos descrevendo suas vítimas do sexo feminino como “pilhas de lixo.” Ficou conhecido como “O Assassino da Cara Feliz”, por desenhar um rosto sorrindo nas cenas dos crimes.

 

 

A cidade de Matamoros, no México, faz divisa com o estado norte-americano do Texas. A cidade mexicana tem sido um popular local turístico para estudantes norte-americanos. Desde os anos de 1930, centenas deles todos os anos cruzam a fronteira em busca de aventuras e diversão.

Em 14 de Março de 1989, um desses estudantes, Mark Kilroy, um estudante de medicina da Universidade do Texas, desapareceu sem deixar vestígios em Matamoros. O que ele e sua turma de amigos não sabiam, é que de janeiro a março de 1989, mais de 60 desaparecimentos haviam sido contabilizados pela polícia da cidade.

O caso logo ganhou repercussão. Afinal: Mark Kilroy era americano, branco e de família rica. Uma recompensa de 15 mil dólares foi oferecida e a polícia mexicana organizou uma força-tarefa para investigar o desaparecimento.

O desfecho do caso foi feito quase que por acidente. Em uma investigação sobre tráfico de drogas, a polícia mexicana invadiu um rancho chamado Santa Elena. Lá eles fizeram uma descoberta macabra. Além de grandes quantidades de maconha e cocaína, os policiais descobriram um galpão do que parecia ser um altar coberto por manchas de sangue, cabelo humano e massa cinzenta e decorado com uma cabeça de bode. Um dos presos na operação policial disse ter visto “um gringo loiro” amarrado na parte traseira de uma van. Essa foi a senha para uma descoberta ainda mais macabra.

Foram encontrados 15 corpos enterrados no rancho. O local era a sede de um culto de adoração satanista de traficantes utilizado para sacrifícios humanos. Mark Kilroy fora sacrificado a Satã em troca de proteção ao culto contra a polícia. Cada vez que uma grande transação de drogas era concretizada, um jovem ou menino era sacrificado no altar. O coração e o cérebro das vítimas eram arrancados e fervidos em um guisado canibal antes de o corpo ser decapitado e a espinha dorsal extirpada.

O corpo de Mark Kilroy estava entre os 15 corpos encontrados no rancho. Seu cérebro estava em um pote juntamente com escorpiões e aranhas. Ao lado havia vários outros ítens os quais a polícia não pôde identificar.

Segundo o preso, Mark Kilroy foi morto pelo líder da seita, o todo-poderoso Adolfo de Jesus Constanzo, conhecido como “O Padrinho”. Adolfo liderava a seita juntamente com a segunda na hierarquia, Sara María Aldrete Villareal, a alta sacerdotisa do grupo, conhecida como “A Madrinha.”

 

 

Adolfo de Jesus Constanzo cresceu em Miami e desde pequeno teve contato com o ocultismo. Sua mãe, uma cubana que tinha o simpático apelido de “bruxa” por seus vizinhos, foi quem introduziu o pequeno garoto nas artes das trevas. Por influência ou não dela, uma das principais diversões do pequeno Adolfo era torturar e matar pequenos animais. E não era só isso, ele gostava de realizar rituais com galinhas, gatos e quaisquer outros animais que pudesse encontrar.

Como todo psicopata, Adolfo era encantador e manipulador. Frequentava os melhores ambientes e conseguia os melhores aliados que um psicopata pode ter: de famosas pessoas do showbusiness a poderosos políticos mexicanos. De chefes do narcotráfico a importantes chefes de polícia. Ele sempre conseguia o que queria. Prova disso é que ele planejou cuidadosamente o encontro com a linda Sara Maria Vilarreal Aldrete, a moça de família que ele posteriormente introduziria para a arte das trevas.

Adolfo é mais um exemplo de um pequeno psicopata que cresceu torturando e matando animais e já na vida adulta passou para uma etapa, digamos, mais avançada: A tortura e morte de humanos. O psicopata satanista e assassino foi morto em 6 de maio de 1989 por um dos seus guarda-costas (ele obrigou o guadra-costas a matá-lo após a polícia cercar o prédio onde estava). Sara Maria Aldrete foi condenada a 62 anos de cadeia pelos crimes. Estima-se que o grupo liderado pela dupla tenha assassinado no mínimo 30 pessoas.

 

 

Ao contrário de outras crianças psicopatas que se tornaram assassinos quando adultos, Jeffrey Lionel Dahmer não matava ou torturava animais, o seu fetiche era a morte. Seu passatempo preferido quando criança era sair andando por estradas perto da sua casa para procurar animais mortos. Quando ele encontrava alguma carcaça, sua diversão começava. Ele levava o animal morto para uma espécie de laboratório e o dissecava. Seu pai, um PhD em química, deu de presente um kit de soluções para o filho, mal ele sabia para o que o filinho usava. Dahmer usava os produtos nos animais para descarná-los e limpar os ossos. Também gostava de empalar sapos e gatos em estacas.

“Ele tinha um pequeno cemitério com animais enterrados no seu quintal. Havia crânios colocados em cima de pequenas cruzes. Ele tinha uma verdadeira coleção de esqueletos”, disse Eric Tyson, um vizinho de Jeffrey Dahmer.

Esse mórbido interesse por animais mortos manifestou-se em Dahmer na mais tenra idade, aos 4 anos ele já “brincava”, e  isso quem confirma é o seu próprio pai:

“Uma vez senti um cheiro horrível vindo do porão, havia uma pilha de pequenos ossos de animais. Jeff parecia animado com o som que os ossinhos faziam em sua mãozinha. Hoje não posso ver isso como coisa de uma criança.” Disse seu pai Lionel Dahmer em seu livro autobiográfico.

Aqui cabe uma observação. Esse é o grande erro dos pais, achar que tudo o que o filinho faz é bonitinho. Se o filinho abusa de animais, não quer dizer que ele se tornará um assassino no futuro. Mas se esse comportamento for recorrente, então há um problema.

A experiência com animais na infância para Dahmer foi, digamos, proveitosa. Quando cresceu, ele resolveu praticar o seu peculiar hobby em humanos. Ele desossou e praticou os mais bizarros tipos de experiências em 17 pessoas. Do esquartejamento ao canibalismo. De crânios enfeitando sua estante à técnica para criar zumbis, injetando ácidos no cérebro das vítimas ainda vivas.

 

 

No início dos anos de 1940 a Europa ardia nas chamas da Segunda Guerra Mundial. Milhões de judeus eram mortos, outros milhões de soldados truçidados nos campos de batalha, cidades eram deixadas aos cacos por aviões bombardeiros e tanques de guerra. Famílias eram separadas, mães perdiam seus filhos e filhos perdiam seus pais. E era no meio dessa tragédia que um dos maiores serial killers europeus agia impunemente.

Em março de 1944, bombeiros e policiais chegaram até a Rue de Le Sueur, número 21, em Paris, na França. Havia fumaça saindo do local e um cheiro muito estranho, o que fez com que um vizinho os chamassem. E foi lá, nesse estranho local, que eles encontraram o cemitério de um serial killer.

Um braço humano queimava em uma fornalha. Centenas de ossos e partes de corpos estavam empilhados em uma adega. Na garagem, escalpos e mandíbulas estavam enterrados sob cal. Em um poço, corpos humanos desmembrados em vários estágios de decomposição. Na escada que levava ao porão, um saco contendo a metade, sem cabeça, de um corpo.

Começava a caçada humana ao dono da casa, um médico bastante conhecido na França, o Dr. Marcel André Henri Félix Petiot .

“Ordem das autoridades alemãs. Prendam Petiot. Perigoso e lunático.” Dizia o comunicado da Polícia Alemã (que ocupava Paris na época).

Como a maioria dos psicopatas que se tornaram assassinos na vida adulta, Marcel Petiot começou na infância torturando e matando animais. O comportamento do pequeno psicopata também não era comum. Fazia brincadeiras com conotação sexual com os amiguinhos e até tentou fazer sexo com um deles quando tinha apenas 10 anos de idade. Seu comportamento explosivo o fez ser expulso duas vezes de escolas. Uma de suas diversões preferidas era capturar pássaros e espetar seus olhos com agulhas, fazia o mesmo com gatos e outros pequenos animais.

O comportamento errante na infância só poderia progredir para a vida criminosa quando adulto, e foi isso o que aconteceu. Em 1914, aos 17 anos, foi preso por roubo. A partir daí foi internado várias vezes:

“um jovem anormal sofrendo de problemas pessoais e hereditários que limitam seu sentimento de culpa … desequilíbrio e depressão mental, melancolia, obsessões e fobias” diziam seus laudos psiquiátricos.

Em 1940, aproveitou o pandemônio da II Guerra Mundial para enganar judeus dizendo que os levariam para locais seguros. Dezenas deles acreditaram e dezenas deles acabaram em seu cemitério particular. Na foto (em seu julgamento) acima é possível ver ele e as malas de dezenas de suas vítimas. Estima-se que Petiot tenha assassinado no mínimo 60 pessoas.

“Cavalheiros, peço que não olhem. Isso não vai ser muito bonito.” Disse Petiot antes de ser decapitado na guilhotina em 25 de Maio de 1946.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: